Solicitar contato

10/05/2019   10h31

4 boas práticas para o gerenciamento de fornecedores

Contar com bons fornecedores é fundamental para o sucesso de qualquer organização

10/05/2019   10h31

Os desafios e as necessidades dos negócios mudaram nos últimos anos, de modo que os ciclos de vida dos produtos são mais curtos e as oscilações do mercado estão mais amplas do que nunca.

O ritmo dos negócios aumentou ao ponto em que muitas empresas percebem que não podem mais se dar ao luxo de ir sozinhas. Ao mesmo tempo a colaboração entre fornecedores tornou-se uma das principais estratégias, na tentativa de elevar as empresas ao próximo nível de desempenho.

Os fornecedores estão atentos às inovações e mudanças do mercado e podem ser ativos reais no ambiente de negócios. Mas para aproveitar totalmente o poder de seus fornecedores, as empresas precisam entender como gerenciá-los.

Elencamos quatro boas práticas de gestão de fornecedores, confira:

 

1. Identificação do Fornecedor

Primeiro, é necessário encontrar fornecedores de qualidade para trabalhar, aqueles que irão agregar mais valor a operação. Aqui, estamos falando sobre o processo de terceirização estratégica, pode ser definido como “alavancar ferramentas de automação de processos para identificar, avaliar, negociar, implementar e ajustar rapidamente o mix ideal de bens e serviços que melhor atendam aos objetivos em constante evolução”. Começa por encontrar o fornecedor ou fornecedores certos para fazer a parceria.

À medida que os departamentos de compras se preparam para esse novo paradigma de parceria entre compradores e fornecedores, eles devem ver fornecedores em potencial como uma fonte de valor e vantagem, em vez de meros parceiros transacionais. Os fornecedores têm um rico conhecimento do mercado para compartilhar que uma empresa não pode capturar por si só. Dito isso, as equipes de aquisição devem realizar análises de gastos para garantir que estejam usando informações orientadas por dados para selecionar o fornecedor de maior valor para suas necessidades.

 

2. Gerenciamento de Informações do Fornecedor

Ter informações detalhadas, precisas e centralizadas sobre fornecedores é uma parte fundamental do gerenciamento de relacionamentos - desde o escopo do produto até o processamento do pagamento. Essas informações podem incluir cotações, contratos, detalhes de contato, locais, informações sobre remessas, certificações, classificações de desempenho, pontuações de risco, recursos e cobertura de categoria. Taticamente, coletar, verificar, limpar e gerenciar informações de fornecedores pode gerar uma economia significativa de custos. Estrategicamente, o gerenciamento de informações de fornecedores pode impulsionar uma maior colaboração e inovação com fornecedores corporativos.

 

3. Gerenciamento de Risco de Suprimento

A globalização e a internet tornaram o mundo um lugar menor e se conectaram com mercados e fornecedores novos ou emergentes de maneira mais fácil e rápida. Mas eles também expuseram as empresas a novas formas de risco de suprimento que parecem aumentar a cada ano. À medida que o papel da aquisição converge em toda a empresa, mais pessoas se tornaram responsáveis por gerenciar um número crescente e crescente de riscos de fornecimento.

Gerenciamento de risco de suprimento pode ser definido como o programa ou série de estratégias usadas para identificar, definir, quantificar, mitigar e gerenciar os riscos potenciais para o suprimento e o impacto resultante que eles podem ter sobre a empresa. Essas estratégias variam de acordo com a empresa, a indústria ou a localização, mas há algumas práticas recomendadas a seguir para gerenciar - se não eliminar - o risco de fornecimento.

A primeira é designar uma equipe multifuncional para liderar o programa de risco de suprimento - que aproveita os diferentes conhecimentos e experiências para que as empresas tenham uma ampla variedade de perspectivas e recursos para lidar com riscos exclusivos.

A segunda é desenvolver um processo robusto de identificação e avaliação de riscos de suprimento, incluindo a definição de todos os riscos relevantes para a empresa - financeiros, operacionais, políticos, regulatórios, de reputação etc. Terceiro, os programas de risco de suprimento devem desenvolver e testar a continuidade dos negócios e processos de gerenciamento de crise para ver como eles se saem bem em diferentes cenários e se ajustam de acordo.

Por fim, as equipes de risco de fornecimento precisam ficar atentas. O risco de fornecimento é um alvo em movimento que assume novas formas todos os anos.

 

4. Gerenciamento de Desempenho do Fornecedor

O gerenciamento do desempenho do fornecedor permite que as equipes de compras avaliem e classifiquem seus fornecedores ao longo de uma série de métricas de desempenho para garantir que seus fornecedores estejam fornecendo valor e aderindo aos termos e contratos do contrato.

Aqueles que usam processos e ferramentas de Gerenciamento de Desempenho do Fornecedor podem desenvolver indicadores e pesquisas de fornecedores para acompanhar o desempenho do fornecedor e colaborar com partes interessadas internas e externas para melhorar o desempenho se / quando necessário. O gerenciamento e melhoria eficazes do desempenho do fornecedor podem preparar os fornecedores para o sucesso futuro e solidificar seu relacionamento com a empresa.

As melhores práticas de Gerenciamento de Desempenho do Fornecedor incluem comunicar claramente com os fornecedores e todas as partes interessadas o que o processo de avaliação, critérios e prazos são para que ninguém seja surpreendido e todas as partes possam ser proativas em vez de reativas. Em seguida, as aquisições devem desenvolver pesquisas e indicadores padrão de fornecedores que acompanhem o desempenho e permitam que as aquisições façam benchmark de seus fornecedores.

Por fim, a aquisição deve definir gatilhos de alerta e implementar medidas de correção de rumo se / quando o desempenho de seus fornecedores cair. Quanto mais cedo isso ocorrer, melhor e mais fácil será corrigir os problemas.

Compartilhe este conteúdo